Execução de manutenções preventivas, obras de grande porte, Fiscalização de fraudes e furtos, ativações e novas ligações de irrigantes estão entre as iniciativas do Plano Safra

São Leopoldo, 28 de outubro de 2020 – Comprometida com o desenvolvimento do agronegócio gaúcho, a RGE, distribuidora do Grupo CPFL, vem colocando em prática uma série de ações que visam atender com qualidade, segurança e confiabilidade os produtores rurais de sua área concessão. Denominado Plano Safra 2020-2021, esse conjunto de iniciativas vai ao encontro, principalmente, da produção de arroz, setor que ganha destaque nesta época do ano, e possui grande relevância na Fronteira Oeste.

Com o Plano Safra a RGE disponibiliza uma grande força de trabalho e recursos materiais para ligar e fornecer energia elétrica aos equipamentos irrigantes, que são as bombas de captação de água, necessária ao plantio e desenvolvimento do arroz. Durante este período, aliado ao verão, a RGE registra uma considerável elevação no carregamento de equipamentos do sistema elétrico, como transformadores e condutores de energia.

A RGE possui um contingente significativo de profissionais trabalhando em 28 iniciativas com o objetivo de garantir o fornecimento de energia elétrica e atendimento adequado durante o período de safra. Dentro destas iniciativas estão a manutenção preventiva em 823 km redes de distribuição, execução de 6 obras de grande porte, instalação de 1.986 novos medidores com tecnologia de Telemedição e suporte ao atendimento e esclarecimento de dúvidas aos consumidores.

O período da safra é um importante momento do ano, onde 2,4 mil dos 2,9 milhões de clientes da RGE passam a irrigar suas plantações e consomem aproximadamente 500 GWh em poucos meses. Essa quantidade de energia é suficiente para abastecer o município de Caxias do Sul por seis meses ou São Leopoldo por um ano.

“Trabalhamos pela melhoria contínua dos nossos indicadores de qualidade. A meta é a satisfação do cliente, proporcionando uma rede segura, de acordo com o desenvolvimento dos municípios onde atuamos”, comenta o diretor-presidente da RGE, Marco Antônio Villela de Abreu.

O objetivo da distribuidora com o Plano Safra é atender com a máxima qualidade os 2,4 mil clientes, sendo 2.000 que utilizam energia em alta tensão e 400 que usam em baixa tensão, e têm suas propriedades em Alegrete, Itaqui, São Borja, Uruguaiana e região. A área geográfica de safra corresponde a 28.715 km², em comparação com o município de Porto Alegre, que possui 497 km2, esta área corresponde a dimensão de 58 municípios de Porto Alegre. Neste ano, segundo informações da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), empresa pública vinculada ao Ministério da Agricultura, há previsão de uma safra 12% superior em relação ao ano anterior. A estrutura de atendimento do Plano Safra vai até o final do verão, quando a lavoura de arroz começa a ser colhida.

Fiscalização na safra – Durante o período de safra, a RGE está fortalecendo as ações de combate a fraudes e furtos de energia. São 85 equipes especializadas em fiscalização de irregularidades, que atuarão principalmente no combate às perdas em unidades rurais. Essa ação tem apoio da Polícia Civil e Brigada Militar e tem o objetivo de, além de recuperar energia, reduzir as interrupções ocasionadas pelo consumo clandestino ou irregular. As equipes ficarão na Região da Fronteira Oeste até o final da safra. A RGE também utiliza algoritmos de inteligência artificial, equipamentos instalados na rede para balanço energético e telemedição para coleta instantânea de dados.

Além dos transtornos e prejuízos financeiros, ligações irregulares ou clandestinas podem causas acidentes graves, até mesmo fatalidades. Esse tipo de ligação sobrecarrega a rede, que está dimensionada para uma determinada carga, trazendo alto risco de curto-circuito e consequente interrupção do fornecimento, queima de equipamentos e, inclusive, incêndios. Ligações clandestinas também caracterizam furto de energia elétrica, o que é crime.

Alerta de segurança – Acidentes com energia elétrica são perigosos e podem ser fatais. Na área rural, a população pode estar mais exposta a diversos fatores que levam a esses acidentes, seja por intempéries ou por ação equivocada do homem. Somente nos primeiros 6 meses deste ano, três pessoas morreram em acidentes com a rede elétrica em regiões rurais do estado. O Rio Grande do Sul foi, em 2018, o terceiro estado brasileiro com o maior número de mortes em decorrência de choques elétricos, com 37 óbitos, de acordo com os dados do Anuário Estatístico ABRACOPEL de Acidentes de Origem Elétrica 2019. Em todo o Brasil, foram 1.424 acidentes envolvendo choques elétricos em 2018. A ABRACOPEL é a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade.

Um dos principais cuidados que o homem do campo deve ter é com as linhas de transmissão, jamais construindo ou armazenando produtos embaixo dessas estruturas. As linhas de 69, 88 e 138 kV têm faixas de domínio de 30 metros (15 para cada lado) e as linhas de 34,5 kV faixas de 20 metros, conforme determina a Norma Técnica NBR 5422, da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. É proibido o plantio e a colheita de qualquer espécie nas faixas de domínio.

Confira a seguir uma série de orientações da RGE para evitar acidentes com a rede elétrica rural.

  • Manter distância da rede ao manobrar pulverizadores, colheitadeiras e outros equipamentos. Evitar estacionar o maquinário agrícola embaixo da rede.
  • Não se aproximar dos estais, que são os cabos de aço de sustentação de torres e postes.
  • Caso um cabo caia sobre o veículo ou venha a encostar na rede elétrica, o motorista jamais deve tentar sair. Deve chamar a RGE, que desligará a rede antes do resgate o condutor.
  • Outro ponto que sempre requer atenção é na colheita em pomares ou ao lidar com irrigadores. Deve-se ter cuidado ao subir em árvores para colher frutos ou realizar podas, mantendo distância da rede elétrica.
  • Nunca deixar que o jato de água do irrigador se aproxime dos fios ou da estrutura da rede elétrica.
  • Fazer queimadas perto das linhas de transmissão ou de distribuição também pode danificar as estruturas, causando a queda dos postes e torres, provocando curto-circuito, rompimento de cabos e interrompendo o fornecimento de energia para grandes áreas, até cidades inteiras, além de colocar em risco a vida das pessoas.

Para evitar que outros acidentes aconteçam, o Grupo CPFL desenvolve campanhas permanentes de alerta e orientações. Desde o começo de 2020 está em andamento a campanha “Guardião da Vida”, voltada aos 2,9 milhões de clientes nos 381 municípios da área de concessão da RGE, incluindo os trabalhadores em áreas rurais.

O objetivo é conscientizar a população para os perigos que o mau uso da energia elétrica pode representar e a importância de se tomar todas as precauções, reforçando os cuidados com a saúde e a segurança no trabalho. Quem quiser saber mais pode acessar www.guardiaodavida.com.br, onde é possível ver dicas e orientações para o dia a dia do ambiente profissional e doméstico.

A RGE alerta também em relação ao perigo de choque elétrico com fiação rompida na rede de distribuição de energia. Nesse caso, as pessoas devem entrar em contato imediatamente com a concessionária pelos canais de atendimento e jamais se aproximar ou tocar em quaisquer equipamentos.

Sitewww.rge-rs.com.br

App: CPFL Energia (disponível para Android e iOS)

WhatsApp: (51) 3539-6791

SMS RGE: 27350 (para informar falta de luz)

Call Center: 0800 970 0900

Sobre a RGE

Responsável por distribuir 66,7% da energia elétrica consumida no Rio Grande do Sul e atender 2,9 milhões de clientes em 381 municípios gaúchos, a RGE é hoje a maior distribuidora da CPFL Energia em extensão territorial e número de cidades atendidas. A área de concessão da companhia, que é resultado do agrupamento das distribuidoras RGE e RGE Sul, realizado em janeiro de 2019, totaliza 189 mil km² de extensão, abrangendo as áreas urbanas e rurais das regiões Metropolitana, Centro-Oeste, Norte e Nordeste do estado.

Os investimentos realizados pela RGE contribuem para o desenvolvimento socioeconômico de locais de fundamental importância para a economia do estado, que vão desde fortes polos turísticos, agrícolas e pecuários, até grandes centros industriais e comerciais, trazendo mais bem-estar, conforto e infraestrutura para a vida de 7,4 milhões de gaúchos.

Sobre a CPFL Energia

A CPFL Energia, há 107 anos no setor elétrico, atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização e serviços. Desde janeiro de 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a quinta maior organização empresarial do mundo e a maior empresa de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

Com 14% de participação, a CPFL Energia é uma das maiores empresas no mercado de distribuição, totalizando mais de 9,8 milhões de clientes em 696 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, é uma das líderes no mercado livre, com participação de mercado de 4%. É líder na comercialização de energia incentivada para clientes livres entre as comercializadoras.

Na geração, é a terceira maior agente privada do País, com um portfólio baseado em fontes limpas e renováveis, como grandes hidrelétricas, usinas eólicas, térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e usina solar. Considerando a participação acionária na CPFL Renováveis (99,94%), maior empresa de geração da América Latina a partir de fontes alternativas de energia, a capacidade instalada do Grupo CPFL alcançou 4.304 MW, no final de setembro de 2019.

A CPFL Energia possui ações listadas no Novo Mercado da B3. O Grupo também ocupa posição de destaque em arte e cultura, entre os maiores investidores brasileiros, por meio do Instituto CPFL.

Assessoria de Imprensa RGE

RGE coloca em prática o Plano Safra 2020-2021 focado no atendimento aos produtores de arroz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *